Avançar para o conteúdo principal

Dentro de um todo já inabarcável

Platão diz ou faz dizer ao seu Sócrates que talvez o médico devesse conhecer não apenas a natureza da alma, mas também a natureza do todo, se quer realmente tratar a deficiência, o sofrimento, a doença do paciente. Ouvimos e também sabemos, por experiência milenária, em que medida esta tarefa se transformou numa arte particularmente difícil em consequências das necessidades e dos progressos do nosso poder e do nosso saber. A marcha da história obrigou, não apenas o doente e o médico, mas a todos nós a submeter-nos cada vez mais à lei da divisão do trabalho -- o que reduziu a nossa própria contribuição a uma simples função dentro de um todo já inabarcável. E assim ser médico é, um certo sentido, uma profissão simbólica, pois a sua tarefa não é um 'fazer', mas a prestação de uma ajuda que facilita o ser vivo o seu regresso à saúde e à vida. O médico nunca pode ter a completa ilusão de possuir o poder e o fazer. Sabe que, no melhor dos casos, o seu êxito não é devido a si mesmo nem ao seu poder, mas à natureza. Tal é, efectivamente, a situação singular da medicina.

Hans-Georg Gadamer


Mensagens populares deste blogue

The best computer programs

"... The best computer programs are the ones in which the computer itself "disappears," in which you work directly on the problem without having to be aware of the computer." Donald Norman. in The Psychology of Everyday Things. -Basic Books, 1988, p. 180.

The "two cultures" of modern society — the sciences and the humanities

“A good many times I have been present at gatherings of people who, by the standards of the traditional culture, are thought highly educated and who have with considerable gusto been expressing their incredulity at the illiteracy of scientists. Once or twice I have been provoked and have asked the company how many of them could describe the Second Law of Thermodynamics. The response was cold: it was also negative. Yet I was asking something which is about the scientific equivalent of: 'Have you read a work of Shakespeare's?' I now believe that if I had asked an even simpler question — such as, What do you mean by mass, or acceleration, which is the scientific equivalent of saying, 'Can you read?' — not more than one in ten of the highly educated would have felt that I was speaking the same language. So the great edifice of modern physics goes up, and the majority of the cleverest people in the western world have about as much insight into it as their Neolithi