Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

A mostrar mensagens de Abril, 2011

Uma viagem com muitas supresas

"O casamento pode ser comparado a uma viagem com muitas surpresas; algumas excelentes, outras dolorosas. Condições imprevistas da “estrada” podem apresentar obstáculos inesperados; alguns talvez pareçam intransponíveis. Mesmo assim, muitos casais são felizes e bem-sucedidos nessa viagem apesar de alguns problemas menores. De facto, ter sucesso no casamento não é uma questão de quantos altos e baixos surgem, mas de como os casais lidam com eles." Despertai! de julho de 2008, aqui .

Delphica

Desde a orla do mar Onde tudo começou intacto no primeiro dia de mim Desde a orla do mar Onde vi na areia as pegadas triangulares das gaivotas Enquanto o céu cego de luz bebia o ângulo do seu voo Onde amei com êxtase a cor o peso e a forma necessária das conchas (...) Sophia de Mello Breyner Andresen Delphica IV , Maio de 1970

Crítica à arrogância do especialista II

Dantes os homens podiam facilmente dividir-se em ignorantes e sábios, em mais ou menos sábios e mais ou menos ignorantes. Mas o especialista não pode ser subsumido por nenhuma destas duas categorias. Não é um sábio porque ignora formalmente tudo quanto não entra na sua especialidade; mas também não é um ignorante porque é um ‘homem de ciência’ e conhece muito bem a sua pequeníssima parcela do universo. Temos que dizer que é um ‘sábio-ignorante’, coisa extremamente grave pois significa que é um senhor que se comporta em todas as questões que ignora, não como um ignorante, mas com toda a petulância de quem, na sua especialidade, é um sábio. GASSET , 1929

Crítica à arrogância do especialista

Há hoje poucos investigadores que se possam proclamar matemáticos ou físicos ou biólogos sem restrição. Um homem pode ser um topologista ou um acusticionista ou um coleopterista. Estará então totalmente mergulhado no Jargão do seu campo, conhecerá toda a literatura e todas as ramificações desse campo mas, frequentemente, olhará para o campo vizinho como qualquer coisa que pertence ao seu colega três portas abaixo no corredor e considerará mesmo que qualquer manifestação de interesse da sua parte corresponderia a uma indesculpável quebra de privacidade" WIENER , 1948

Survival is more complicated

"Survival is far more complicated, much more demanding (than doing science). You can always try another approach; even change your subject when a scientific strategy or experiment fails. But when you are hungry you are hungry!" Ada E. Yonath

Train of thought

“What seems strange to you is only so because you do not follow my train of thought or observe the small facts upon which large inferences may depend.” Sherlock Holmes , The Sign of Four , Sir Arthur Conan Doyle

Memórias

“As memórias procriam como se fossem pessoas vivas” Agustina Bessa-Luís

Medical School & the scientific method

«When I was in med school, the professor would say “In my experience, drug A works better than drug B.” and we would take careful notes, follow his lead, and prescribe drug A unquestioningly. That is no longer acceptable. Today we ask for controlled studies that objectively compare drug A to drug B. That doesn’t mean the professor’s observations were entirely useless: experience, like anecdotes, can draw attention to things that are worth evaluating with the scientific method.» Harriet Hall In url: http://www.sciencebasedmedicine.org/ Acesso em 13 de Abril, 2011

Das celas vizinhas

“Das celas vizinhas, sobretudo durante a madrugada, eu ouvia os gemidos daqueles que voltavam do porão do quartel que o regime político transformara em prisão. Não eram gritos, eram gemidos mesmo, que duravam horas. Mesmo assim, em certas noites, apesar de distantes, eu ouvia os gritos – e ainda que viva cem, mil anos, jamais me esquecerei deles. Daí que nada precisei ouvir para jamais esquecer o que agora estava vendo, ali no chão da cela que até então ocupara sozinho. Eu via o resultado de muitos gritos acumulados num corpo que nem parecia corpo e que, tombado no chão, mais parecia uma carniça” Carlos Heitor Cony In: Romance sem Palavras, São Paulo: Editora Schwarcz, 1999, pp. 11 – 12

Classificação

“Segundo parece, nenhum outro assunto da ciência biblioteconómica levantou tanta celeuma ou deu azo a tão diversos e opostos pontos de vista, como a Classificação (...) a Classificação só vale quando encarada como ferramenta ao serviço da recuperação de informação e de referência – mas quando assim a considerem, pode tornar-se vital para os bons resultados a obter.” Foskett , 1981