Avançar para o conteúdo principal

Oportunidade... Férias


“Quem viaja muito sabe muito.”
Thomas Fuller
médico e escritor, séc. XVII

Observação de contexto:
"Uma viagem é uma oportunidade para nos familiarizarmos com pessoas de outros lugares, para aprendermos mais sobre seus costumes e modo de vida. Viajar por países em que o padrão de vida é inferior ao do nosso país pode ensinar-nos a ser gratos pelo que temos e pode despertar em nós empatia pelos menos afortunados. Se permitirmos, uma viagem pode corrigir conceitos erróneos e abrandar preconceitos. É uma oportunidade de aprender ao vivo pelo menos um pouquinho de outra língua, de experimentar pratos saborosos, ou de enriquecer o álbum de fotografias, a colecção de slides ou a videoteca com amostras das belezas da criação de Deus."
Despertai!, 1996, 22/6 p.3

Mensagens populares deste blogue

Factores de Risco

“A transição económica, a urbanização, a industrialização e a globalização causam mudanças no estilo de vida que favorecem o surgimento de doenças cardíacas .../.... A falta de exercícios e uma dieta inadequada [estão] entre os principais factores de risco." Associação Americana do Coração in Estatísticas Internacionais de Doenças Cardiovasculares

Um grão de areia

"Para ter a ideia da pequenez do átomo comparado com um objecto macroscópico, imaginemos que podemos ver os átomos numa mesa de cozinha, e que cada átomo é do tamanho de um grão de areia. Nesta escala de ampliação, a mesa terá então 3500 quilómetros de comprimento." Robert Jastrow, Red Giants and White Dwarfs (em Port. A arquitectura do Universo, Edições 70)

Panteão da Ciência

“O facto é que quase todos os que estão firmemente estabelecidos no panteão da ciência — Newton, Descartes, Leibniz, Pascal ou Huggins, Lister, Faraday, Laplace ou Davy — estavam enfronhados em esforços frenéticos de obter prioridade [i.e. ser o primeiro com certa descoberta] e fazê-la registar publicamente. . . . Às vezes . . . o desejo de reconhecimento é intensificado até ficar fora de controle. Torna-se desejo veemente de receber aclamação.” Robert K. Merton, American Scientist , 1969, número da primavera.