Avançar para o conteúdo principal

Temos um banco no nosso jardim

Temos um banco, no nosso jardim de Malicorne, situado diante de um lago, ao qual chamamos "banco do tempo que passa". Às vezes, sento-me nele e sinto que, juntamente com as libelinhas, as carpas, as alvéolas brancas pousadas nos nenúfares e no grande salgueiro, faço parte do cosmos.

Se ali estou e posso reflectir é porque habitamos um universo no qual se desenvolveu um processo extraordinário, uma saga épica à qual chamamos o "crescimento da complexidade". As descobertas científicas não cessam de nos revelar a nossa origem cósmica.


Que caminho percorremos nós, seres humanos, para estar aqui, agora? A nossa existência está ligada a fenómenos que se desenrolaram ao longo de milhares de milhões de anos, se desenvolveram num espaço de milhões de anos-luz e incluem o aparecimento das galáxias, das estrelas e dos planetas. É aquilo a que eu gosto de chamar a "bela história".

Hubert Reeves

Mensagens populares deste blogue

Factores de Risco

“A transição económica, a urbanização, a industrialização e a globalização causam mudanças no estilo de vida que favorecem o surgimento de doenças cardíacas .../.... A falta de exercícios e uma dieta inadequada [estão] entre os principais factores de risco." Associação Americana do Coração in Estatísticas Internacionais de Doenças Cardiovasculares

Um grão de areia

"Para ter a ideia da pequenez do átomo comparado com um objecto macroscópico, imaginemos que podemos ver os átomos numa mesa de cozinha, e que cada átomo é do tamanho de um grão de areia. Nesta escala de ampliação, a mesa terá então 3500 quilómetros de comprimento." Robert Jastrow, Red Giants and White Dwarfs (em Port. A arquitectura do Universo, Edições 70)