Avançar para o conteúdo principal

A Persistência da Memória

"O conteúdo de informação do cérebro humano referido em bits é possivelmente comparável ao número total de conexões entre neurónios -- ou seja, cerca de de 1014 bits. Se expressos em escrita, digamos, aquela informação encheria alguns 20 milhões de volumes, tantos quantos existem nas maiores bibliotecas do mundo. O equivalente a 20 milhões de livros está dentro das cabeças de cada um de nós. O cérebro é um lugar enorme num espaço mínimo. A maior parte dos «livros» está no córtice cerebral. Na cave encontram-se as funções de que os nossos antecessores fundamentalmente dependiam -- agressividade, cuidados com as crianças, medo, sexo, prontidão para seguir cegamente o chefe. Algumas das funções superiores do cérebro -- ler, escrever, falar -- parecem localizar-se em locais específicos do córtice cerebral. As recordações, por outro lado, encontram-se alojadas redundantemente em muitos locais. Se existisse o que se diz ser a telepatia, uma das suas glórias seria a oportunidade de virmos a ler os livros nos córtices cerebrais dos nossos bem-amados. No entanto, não há prova cabal da existência da telepatia e a comunicação dessa informação fica a cargo de artistas e escritores. O cérebro faz mais do que lembrar. Compara, sintetiza, analisa, abstrai. Somos capazes de imaginar muito mais do que o que conseguem os nossos genes. É por isso que a biblioteca do cérebro é 10 mil vezes maior do que a biblioteca genética. A nossa paixão pelo saber, evidente no comportamento de qualquer criança que aprende a caminhar, é o instrumento da nossa sobrevivência."

Carl Sagan, Cosmos, 1980

Mensagens populares deste blogue

Factores de Risco

“A transição económica, a urbanização, a industrialização e a globalização causam mudanças no estilo de vida que favorecem o surgimento de doenças cardíacas .../.... A falta de exercícios e uma dieta inadequada [estão] entre os principais factores de risco." Associação Americana do Coração in Estatísticas Internacionais de Doenças Cardiovasculares

Um grão de areia

"Para ter a ideia da pequenez do átomo comparado com um objecto macroscópico, imaginemos que podemos ver os átomos numa mesa de cozinha, e que cada átomo é do tamanho de um grão de areia. Nesta escala de ampliação, a mesa terá então 3500 quilómetros de comprimento." Robert Jastrow, Red Giants and White Dwarfs (em Port. A arquitectura do Universo, Edições 70)